Já Fui Bag

O projeto

Você já parou para pensar onde vão parar as bags que os entregadores utilizam para trazer as nossas comidas todos os dias depois que ficam desgastadas e já não servem mais para uso?

Talvez você nunca tenha pensado, mas com o tempo de uso, estas mochilas térmicas se desgastam e precisam ser substituídas. Para garantir que o seu produto ou alimento chegue em boas condições, o iFood realiza periodicamente a troca das bags que já não tenham condições de uso. Em toda troca, recomendamos que, ao receber a nova, o entregador nos devolva a antiga para garantirmos que ela não seja descartada de forma inadequada no meio ambiente. Mesmo que não seja uma bag do iFood!

Em parceria com startups Greening e Plataforma Verde, aos poucos e com muito empenho, implementamos a logística reversa das bags em todo o país e atingimos a marca de ser zero aterro neste processo. Isso significa que recuperamos 100% das bags trocadas nacionalmente.

Atualmente, uma parte da bag, especialmente o isopor, vai para coprocessamento, que é o uso do material para geração de energia, seguindo todos os padrões e protocolos do setor. A outra parte, em parceria com a Retalhar, empresa que promove a economia circular de produtos têxteis, transformamos as bags em novos produtos, como sacolas e pochetes, por exemplo.

Assim, oferecemos novas funções para cada parte do material e reaproveitamos 100% da bag, que levou a comida quentinha para a sua casa.

As histórias por trás dos novos produtos

E por trás dessa iniciativa, temos também grandes histórias! E aqui elas serão contadas por três pessoas das cooperativas envolvidas no projeto: A Cardume de Mãe, parceira da Retalhar e na qual fazem parte as costureiras que produzem as sacolas e a Yougreen que faz a reciclagem dos materiais.

O Dimbumba Frange é do Congo, chegou no Brasil em 2017 e logo ingressou na Yougreen. Ele que começou na triagem dos materiais, conta para nós nesse vídeo sobre a importância da reciclagem para a sociedade.

Para a Herculânia Maria dos Reis, costureira na Cooperativa Cardume de Mãe, ter sua própria renda sempre foi fundamental. Ela sente-se muito feliz em saber que o trabalho dela, além de renda, gera também um impacto ambiental positivo.

Já a Maria Rosalina Matos Ribeiro, a Rosinha, que faz parte da mesma cooperativa, conta que sente-se orgulhosa pelo trabalho que realiza. Para ela, Sustentabilidade também é responsabilidade.

Este é só o início da nossa revolução, mas estamos comprometidos em gerar impacto socioambiental positivo para nossos parceiros, clientes, funcionários e sociedade.

Oferecemos novas funções para cada parte do material e reaproveitamos 100% da bag, que levou a comida quentinha para a sua casa.