Conheça as principais inovações em tecnologia de embalagens

Saiba como novas embalagens estão se transformando para ficar mais sustentáveis (e até comestíveis)

O comércio eletrônico bateu recorde em 2022, com 108,9 milhões de compradores —um aumento de 24% em relação a 2021, segundo o relatório Webshoppers da NielsenIQ. 

Com números assim, é urgente falar da tecnologia de embalagens para garantir as entregas de diversos setores, desde comidas e bebidas até eletrônicos. Atender às exigências dos consumidores é fundamental para que as empresas se destaquem no mercado e ofereçam experiências cada vez melhores. 

Neste cenário, sustentabilidade para gerar menos resíduos, eficiência para garantir sucesso nas entregas e capacidade de personalização são algumas das tendências das tecnologias de embalagens. E é sobre isso que falaremos aqui.

Embalagens sustentáveis: alternativas ao plástico convencional

Encontrar alternativas sustentáveis não é só uma questão de preocupação ambiental, mas também econômica. De acordo com um levantamento da empresa de pesquisas Kantar, 54,6% dos consumidores se preocupam em comprar produtos com embalagens que respeitem o meio ambiente, e 48,7% optam por embalagens recicláveis. 

Aderir a novas tecnologias de embalagens é positivo para a marca e bom para o meio ambiente. Já existem até mesmo opções que vêm ganhando espaço no mercado, pois, além de satisfazerem esses requisitos, também ajudam a melhorar a eficiência do serviço. 

Confira algumas delas:

Embalagens compostáveis

O plástico de poliácido lático é um exemplo de embalagem de plástico biodegradável que, se descartado em usinas de compostagem, não prejudica o meio ambiente. Conhecido como plástico de PLA, é produzido pela fermentação do amido de vegetais como beterraba e milho. A ação das bactérias nesse amido produz o plástico, que pode ser utilizado em embalagens alimentícias. 

Outra alternativa são os recipientes fabricados a partir de fécula de mandioca, bambu ou arroz. Um dos desafios desta tecnologia de embalagens é quanto à impermeabilidade dos recipientes.

Embalagens comestíveis

Essa tecnologia de embalagem é desenvolvida pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos a partir da proteína do leite. 

Além de evitar o contato dos alimentos com o oxigênio, essa embalagem é biodegradável e pode ser cozida junto com a comida que ela contém. É usada em pizzas, queijos e até mesmo sopas instantâneas. 

No Brasil também já existem alternativas comestíveis, como os nanofilmes, que servem para embalar frutas e legumes e não precisam ser removidos na ingestão. 

Tecnologia de rastreamento e monitoramento de embalagens

Pensando na segurança e no conforto dos consumidores, tecnologias voltadas para a rastreabilidade também são uma tendência que devem dobrar o faturamento até 2028. 

Uma pesquisa da Emergen Research aponta que o mercado de rastreabilidade de alimentos deve chegar a US$ 9,75 bilhões, sendo que em 2020 representava US$ 4,54 bilhões.

As principais tendências são em relação a desenvolvimento e oferta de:

  • Sensores;
  • Impressoras térmicas;
  • Etiquetas;
  • Rótulos;
  • Dispositivos móveis com GPS;
  • Scanners.

A pandemia e a necessidade de monitorar com mais eficiência os alimentos e as alterações nas embalagens foram fatores que impulsionaram o setor. 

Afinal, os consumidores precisam dessas informações para se manterem saudáveis, principalmente quando falamos do ramo de alimentos e medicamentos. Esses estão entre os principais mercados que passarão a utilizar tecnologias de rastreabilidade.

Softwares automatizados e conectados em nuvem facilitam o acompanhamento dos processos de entrega. Eles podem monitorar, por exemplo, alterações de temperatura que podem comprometer a qualidade do produto. 

Já para os designers de produto e profissionais de marketing, rastrear as embalagens contribui para desenvolver recipientes mais eficientes

Personalização de embalagens: tendência em alta no mercado

Para cada finalidade é necessário desenvolver uma tecnologia de embalagens diferente. A customização acaba aliando eficiência, conforto, experiência para o consumidor e agrega valor à marca. Embalagens criativas, práticas e chamativas são uma tendência para se destacar dos concorrentes. 

A possibilidade de escolha de embalagens vintage, cores neutras, brilhantes ou minimalistas também variará com a proposta da marca. Por isso, a impressão digital vem com tudo. 

Além da personalização que faz parte da comunicação da empresa, ajuda a atrair os consumidores com edições especiais e promove redução de custos com materiais devido à larga escala. 

O uso de realidade aumentada e realidade virtual é mais uma tendência útil para que os consumidores vejam o produto em tamanho real no contexto do ambiente onde será utilizado. 

Além disso, podem ver como será essa entrega e avaliar se o produto entregue está em condições de ser recebido. Para os designers de produto, é interessante para visualizar o conceito de sua criação de todos os ângulos, mesmo no e-commerce. 

Conclusão: motivos para acompanhar as inovações do mercado de embalagens

O delivery gera 96 gramas de resíduos, sendo que 27% deles são plásticos e apenas 9% são materiais biodegradáveis. Nossa pergunta para os empreendedores é: como você pode contribuir, junto com o iFood, para mudar esses números?

A inovação não para, e com o mercado de embalagens não seria diferente. A todo momento surgem alternativas mais viáveis, atrativas e sustentáveis em substituição ao plástico. O iFood tem iniciativas para redução de impacto no meio ambiente, como a redução do uso de plástico nas entregas. 

Procurar novas opções demonstra uma preocupação da marca com o meio ambiente e tudo isso agrada aos consumidores, cada vez mais exigentes quanto a eficiência na entrega, experiência, satisfação e sustentabilidade. Tendo isso como objetivo, as empresas podem oferecer uma experiência única e aumentar a fidelização.


O iFood Labs busca parcerias com startups e empresas alinhadas com a criação de soluções sustentáveis e que promovam o desenvolvimento. Saiba mais sobre o mercado de greentechs e como viabilizar uma solução nessa área.

Esse conteúdo foi útil para você?
SimNão

Publicações relacionadas