Potência Tech: mais mulheres e negros na área de tecnologia

iFood lança plataforma para oferecer formação tecnológica e gerar empregos para pessoas em situação de vulnerabilidade social

Quando se pensa em quem trabalha com tecnologia, a imagem que vem à mente é, geralmente, a de um homem branco. Isso porque no Brasil, mulheres e negros ainda são minoria tanto nos cursos dessa área como neste mercado de trabalho.

Nos cursos de graduação em computação e tecnologia da informação e comunicação, apenas 13% dos estudantes são mulheres, apontam as estatísticas sociais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) –os dados são de 2019. Nesse mesmo ano, o programa YouthSpark, da Microsoft, mostrou que só 25% das pessoas empregadas em áreas técnicas de TI no Brasil eram mulheres.

Em 2021, 59% das pessoas negras entrevistadas pela pesquisa Potências Negras Tech afirmaram que não trabalhavam com tecnologia, mas tinham interesse em atuar nessa área. O levantamento foi realizado pela jornada Potências Negras (evento patrocinado pelo iFood) e pela Shopper Experience e mostra também que um terço das mulheres negras acha que a falta de diversidade e inclusão é a maior dificuldade que encontram para entrar no mercado de tecnologia.

Na outra ponta, existem mais de 70 mil vagas abertas e não preenchidas na área de tecnologia –e apenas 46 mil profissionais formados nessa área por ano, de acordo com a Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação).

“Essa falta de acesso de mulheres e negros às oportunidades em tecnologia é uma questão histórica no Brasil. Muitas vezes isso é consequência de uma defasagem na educação pública”, aponta Luanna Luna, gerente de impacto social do iFood. “Enfrentar esse problema é uma maneira de não perpetuar as desigualdades sociais que existem no país.”

Para encarar esse desafio de promover uma real inclusão no mercado de tecnologia, o iFood se aliou a sete parceiros para lançar, em outubro de 2021, o Potência Tech. É uma plataforma que oferece cursos introdutórios, bolsas para cursos de aprofundamento e vagas de emprego para que pessoas com perfis hoje sub-representados nessa área possam se especializar e começar uma nova carreira. “Existem muitos brasileiros que têm talento e potencial. O desafio é abrir oportunidades para que eles se desenvolvam”, afirma Luanna.

Impacto social multiplicado

No Potência Tech, a formação é orientada para os segmentos que têm maior demanda no mercado, para aumentar as chances de empregabilidade com cursos de back-end, front-end, ciência de dados e web full stack, por exemplo, comandados pelos parceiros Kenzie, Let’s Code, Resilia, Rocketseat e WoMarkersCode (a Ser+ e Bettha entram como parceiros de plataforma e acompanhamento).

“São parceiros que se conectam com o público-alvo, entendem seu contexto e suas dificuldades para trabalhar não só a capacitação técnica mas também os soft skills”, comenta Luanna.

“Fazer parte deste projeto nos deixa muito orgulhosos. Podemos contribuir com uma causa muito importante com aquilo que sabemos fazer melhor”, diz Daniel Kringer, CEO da Kenzie Academy.

Seu colega Felipe Paiva, fundador da Let’s Code, concorda. “São iniciativas como essa que geram impacto social para milhares de pessoas de grupos sub-representados.”

Novos parceiros, aliás, são bem-vindos para ampliar o impacto social do Potência Tech e promover uma real inclusão no mercado de tecnologia. Empresas podem contribuir financiando novas capacitações, cedendo bolsas de estudo e divulgando vagas.

“O iFood está dando um primeiro passo para inspirar mais parceiros nessa jornada. Queremos mobilizar mais empresas para efetivamente abrir esses novos espaços no mercado de trabalho de tecnologia”, conclui Luanna.

Para se inscrever nos cursos ou saber como empresas podem contribuir para a iniciativa, acesse https://potenciatech.com.br/ .

Potência Tech em números

2.000 bolsas

Para os cursos de aprofundamento

100% online

Os cursos estão disponíveis para pessoas do Brasil todo

18 anos

É a idade mínima para se inscrever na plataforma

O iFood Decola quer formar e capacitar
25 mil pessoas
com perfil sub-representado na área de tecnologia até 2025

Primeiros cursos oferecidos*

Front-end (Kenzie)
Web full-stack (Let’s Code e Rocketseat)
WebDev (Resilia)
Data Science (WoMakerscode)

*Iniciados em outubro e novembro

Publicações relacionadas